Tudo Sobre a Congregação Crista No Brasil Algumas mensagens aqui postadas nao sao de minha autoria
Ora, o fim do mandamento é o amor de um coração puro, e de uma boa consciência, e de uma fé não fingida
A escravidão religiosa é aquela que oferece salvação a preço dos méritos ou obras humanas. Cristo nos tornou livres do domínio de qualquer lei que coloque uma etiqueta com preço na salvação. Havia uma, mas Cristo a tirou ao pagar por ela com Seu precioso sangue.

terça-feira, 13 de maio de 2014

“Combate o bom combate da fé”

O Bom Combate
“Combate o bom combate da fé” (1 Timóteo 6:12).
Nas orientações que Paulo deu para Timóteo, um evangelista mais novo que havia auxiliado este apóstolo no seu trabalho durante aproximadamente 15 anos, ele falou várias vezes da importância de combater o bom combate.
A figura de soldados em guerra é comum nas Escrituras, especialmente no Novo Testamento, para enfatizar a natureza do conflito entre o certo e o errado, a verdade e o erro, a vida e a morte. Noções da coexistência harmoniosa do bem e do mal, como encontradas no confucionismo, gnosticismo e outras filosofias, simplesmente não fazem parte do ensinamento bíblico. O servo do Senhor vive em guerra contra toda forma de pecado.
Até entre supostos seguidores de Jesus, o espírito ecumênico que influencia muitos valoriza a harmonia sincretista de ideias e doutrinas contraditórias. O servo do Cristo não vive para contender (2 Timóteo 2:24), ou seja, não demonstra uma atitude briguenta e facciosa, mas não recua da batalha quando os adversários atacam a fé no Senhor.
Diplomatas não precisam de armadura. Se o sincretismo religioso fosse a vontade de Deus, ele não teria ensinado sobre a batalha. O mesmo apóstolo que condenou facções (Gálatas 5:20) foi incumbido da defesa do evangelho e elogiou os outros que participavam desta guerra (Filipenses 1:7,16). Ele ensinou aos cristãos a se revestirem “de toda a armadura de Deus” e a tomarem “a espada do Espírito, que é a palavra de Deus” (Efésios 6:11,17).
Paulo alertou sobre o perigo de mudar a natureza desta guerra. Os servos de Deus são limitados nas suas armas. Para estes soldados, é vedado o uso de armas carnais na guerra espiritual:“Porque, embora andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós sofismas e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo, e estando prontos para punir toda desobediência, uma vez completa a vossa submissão” (2 Coríntios 10:3-7).
Vamos lutar contra o pecado em nossas próprias vidas. Vamos defender o evangelho puro contra as distorções das doutrinas humanas. Mas vamos usar as armas certas!

terça-feira, 20 de abril de 2010

A Suficiência da Palavra de Deus



                                   A Suficiência da Palavra de Deus  
                                       
Considere 1 Coríntios 10:13-14: “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar. Portanto, meus amados, fugi da idolatria.” Note que este trecho contém uma promessa e uma condição. A promessa é que não seremos tentados além das nossas forças para resistir. A exigência é que fujamos da idolatria. Se nos entregarmos ao pecado, não há remédio.
A idolatria é a colocação de qualquer coisa entre Deus e nós. Pode ser algum objeto material, como acontece quando pessoas usam estátuas ou imagens para tentar visualizar Deus. Tais objetos acabam assumindo um signficado místico, e fazem exatamento o oposto do seu propósito original.
Semelhantemente, existem objetos e desejos que freqüentemente não reconhecemos como ídolos. Cada um deles se torna mais importante do que o próprio Deus. Sacrificamos a vontade de Deus em nossas vidas para obter essas outras coisas. É uma forma de idolatria igual ao erro de se ajoelhar diante de um bezerro de ouro.
Qual a solução? A palavra de Deus nos dá as respostas em muitas passagens. Por exemplo, Gálatas 5:19-23 mostra que a resposta é de substituir os ídolos em nossas vidas com o fruto do Espírito de Deus. Para isso, temos de cultivar um amor para com Deus que reconhece a necessidade de nos alimentar diariamente da verdade de Deus. “Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; ora, os seus mandamentos não são penosos” (1 João 5:3). Esses mandamentos, que vieram pela revelação do Espírito Santo, devem guiar todos os aspectos das nossas vidas.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Pai, Mãe e Filho



Pai, Mãe e Filho
O amor de família é o laço mais básico de relações humanas. Desde o sexto dia da criação, quando Deus fez o primeiro casal e ordenou o casamento, os seres humanos têm-se beneficiado das bênçãos de amar e serem amados por pessoas queridas.
Laços familiares freqüentemente são empregados como figuras para descrever a intimidade dos nossos relacionamentos espirituais. Os mais óbvios são a relação de pai (Deus) e filhos (os fiéis), e a de irmãos (co-herdeiros da graça de Deus).
Às vezes, a mesma pessoa pode usar termos diferentes para caracterizar a sua comunhão com outros discípulos. É o que Paulo faz na sua primeira carta aos tessalonicenses. No mesmo capítulo (2), ele se descreve como mãe, pai e filho em relação aos tessalonicenses. Ele mostrou o carinho de uma mãe, e disse que até daria a sua própria vida para o bem desses “filhos” (2:7-8). Ao mesmo tempo, ele demonstrou uma certa rigidez em corrigir os discípulos, como um pai exorta, consola e admoesta os seus filhos (2:11-12). Poucos versículos depois, ele assume a posição de filho, e diz que foi “orfanado” por breve tempo da presença dos tessalonicenses (2:17).
O que aprendemos desses comentários de Paulo? A relação de cristãos, um com o outro, tem várias facetas. A mesma pessoa pode mostrar o carinho de mãe numa ocasião e corrigir como pai em outra. Mais ainda, ela pode passar por momentos de carência como um filho que precisa da presença dos pais.
É fácil esquecer desse exemplo de Paulo. Algumas pessoas se acham fortes e nunca aprendem depender de seus irmãos. Outras sempre se acham carentes e constantemente procuram receber ajuda e direção dos outros. Mas a relação de cristãos é uma de interdependência. Em algumas ocasiões, somos fortes e damos ajuda aos outros. Mas quando precisarmos, devemos ser humildes para receber o carinho e apoio de irmãos. É assim que Paulo disse aos romanos: “...para que, em vossa companhia, reciprocamente nos confortemos por intermédio da fé mútua, vossa e minha” (Romanos 1:12).   

terça-feira, 6 de abril de 2010

O Temor do Senhor



O Temor do Senhor                                            
“O temor do SENHOR é fonte de vida para evitar os laços da morte” (Provérbios 14:27). Encontramos expressões semelhantes a esta, frisando a importância do temor do Senhor, mais de 25 vezes na Bíblia, a maioria no livro de Provérbios. O temor de Deus não é pavor irracional. É o medo, respeito ou reverência que vem de uma apreciação das qualidades de Deus. Ele é santo, justo e poderoso, e qualquer ser humano deve sentir respeito profundo para com o Criador e Juiz de todos (2 Crônicas 19:7-9).
O temor de Deus traz entendimento e nos protege dos maus caminhos (Jó 28:28; Provérbios 19:23; 22:4). O respeito a Deus nos dá motivo para evitar o pecado em nossa vida – “Pela misericórdia e pela verdade, se expia a culpa; e pelo temor do SENHOR os homens evitam o mal” (Provérbios 16:6). Vários trechos o descrevem como a base da sabedoria (Provérbios 1:7; 9:10; Salmo 111:10).
Qualquer doutrina ou prática que desvia os nossos olhos de Deus pode destruir o temor do Senhor. Esta foi a preocupação dos israelitas quando pensaram que alguns de seus irmãos estivessem caminhando para a idolatria (Josué 22:25). Da mesma forma, materialismo e doutrinas que minimizam a importância de Deus diminuem a reverência por parte de suas criaturas.
Cada pessoa tem a opção de buscar o conhecimento de Deus para aumentar o seu temor do Senhor: “Vinde, filhos, e escutai-me; eu vos ensinarei o temor do SENHOR” (Salmo 34:11). Da mesma maneira, podemos rejeitar este entendimento e desprezar o temor de Deus: “O temor do SENHOR é o princípio do saber, mas os loucos desprezam a sabedoria e o ensino.... Porquanto aborreceram o conhecimento e não preferiram o temor do SENHOR” (Provérbios 1:7,29).
Esse respeito para com Deus é essencial para o crescimento da igreja, como observamos na igreja primitiva (Atos 9:31). Pessoas que já conhecem a palavra e demonstram o temor do Senhor, naturalmente falarão a outros, oferecendo-lhes a mesma esperança (2 Coríntios 5:11)

segunda-feira, 8 de março de 2010

A consciência


A consciência revela o que cada homem acredita que “deve” ser (Atos 23:1,24; 24:16; 26:9-11). É indicativo de seu sentimento interno sobre o moral correto, do ideal nobre pelo qual sente que deve lutar. É o seu estímulo em direção à sua concepção de alturas morais, e seus freios contra fazer o que acredita ser errado. A consciência não é o padrão final da verdade, porque isso deve vir de Deus através da revelação; mas a consciência para Deus diz a atitude do indivíduo em relação a Deus. É por isso que o homem tem que fazer o que ele verdadeiramente acredita que Deus quer que ele faça (Romanos 14).
Enquanto alguém tenta fazer o que acredita que Deus quer que faça,

 ➊ ele pode ter um conceito errôneo do que Deus deseja (que era o caso de Saulo, ao perseguir os cristãos),ou 

➋ ele pode, por causa da fraqueza da carne, agir de modo contrário às suas intenções boas (Romanos 7:22 em diante). Neste caso, ele fica infeliz por causa de sua consciência – humilhado diante de Deus, e reconhecedor da sua necessidade do perdão em Cristo. Somos todos criaturas imperfeitas, e devemos, às vezes, sentir esta aflição.
Mas e aqueles que participam, aceitam e apóiam aquilo que é contrário à palavra de Deus ou que não tem nenhuma autorização divina? Podem não saber que é errado e podem estar agindo com boa consciência diante de Deus. Neste caso, informações adicionais sobre a palavra de Deus seriam bem aceitas. Porque querem verdadeiramente fazer sua vontade, abrirão sua Bíblias com alegria, investigarão e mudarão sua conduta para encaixar-se na evidência. Desta maneira eles mantêm uma boa consciência diante de Deus (1 Pedro 3:21).
Entretanto, infelizmente, nós devemos reconhecer que há aqueles que não têm tal caráter nobre (Atos 17:11). Ficam irritados se sua prática for questionada. Amam o elogio dos homens mais do que o elogio de Deus (João 12:42-43). Se sua consciência para Deus continuar a funcionar, conduzem a uma vida infeliz, lutando com si, oprimidos com os sentimentos de culpa. Indesejável – sim, mas ainda há esperança enquanto a batalha acontece. Como é terrivelmente triste ver alguém cuja consciência está cauterizada (1 Timóteo 4:2), e que pode rejeitar Deus sem receio algum.

quinta-feira, 4 de março de 2010

Buscar o coração de Deus



Já agora não subsistirá o teu reino. O Senhor buscou para si um homem que lhe agrada e já lhe ordenou que seja príncipe sobre o seu povo, porquanto não guardaste o que o Senhor te ordenou” (1 Samuel 13:14).
A grandeza de caráter que distinguiu Davi de Saul não foi pelas circunstâncias externas de Davi nem nos seus atributos natos, mas na disposição escolhida pelo seu coração. 


Ele era um homem que buscava o coração de Deus. Quais atributos são sugeridos nesta frase incrível? Não há dúvida que a essência do caráter de Davi poderia ser descrita de várias maneiras, mas a história de sua vida indica, pelo menos, os seguintes requisitos, se for para sermos do mesmo calibre espiritual que ele.
Devemos genuinamente respeitar a vontade de Deus. Como um homem de fé, podia contar com Davi para confiar implicitamente na sabedoria de Deus, cumprir as instruções de Deus fielmente, e depender humildemente da ajuda de Deus. Ele mostrou o seu respeito pelapessoa de Deus levando a vontade de Deus com toda a seriedade, e esta disposição não é menos necessária por nós que por ele. É inútil almejar o caráter de Deus se você não estiver disposto, como Davi estava, a se mexer ao comando de Deus.

Devemos reverentemente arrepender-nos do pecado. A integridade de Davi nunca é vista mais claramente que naquelas ocasiões em que ele era confrontado com o fato do pecado em sua vida. Da mesma forma que ele entendia a necessidade da tristeza piedosa, Davi também compreendeu como aceitar a correção e fazer correções reais na sua conduta. Quando ele fez algo errado, fez o que era certo a respeito dos seus erros.
Devemos recusar resolutamente a desistir de buscar a Deus. Como toda outra pessoa que já verdadeiramente entrou na arena, Davi conhecia o gosto das lágrimas da derrota. Porém uma coisa sempre podia ser dita em relação a ele: ele se levantou toda vez que foi derrubado. Levaria mais desencorajamento do que existe em todas as regiões do inferno para fazer com que um homem de tal coração desistisse de buscar a Deus. Jesus disse: 


“onde está teu tesouro, aí estará também o teu coração” 
(Mateus 6:21), e a vida de Davi é uma ilustração heróica deste princípio. As coisas que profundamente desejamos determinam o nosso caráter. Desejamos ser um povo que busca o coração de Deus, realmente e verdadeiramente? Então devemos, nos nossos próprios corações, desejar e valorizar os tesouros de sua vontade mais que as lembrancinhas do nosso próprio humor.
O coração de um homem está certo
quando ele quer o que Deus quer.

(Thomas Aquinas)

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Resistir ao diabo








Resistir ao diabo é a exigência tanto de Tiago (4:7) quanto de Pedro (1 Pedro 5:8). Mas como fazemos isso? Temos que ter o desejo de resitir. Alguns amam tanto ao mundo e os prazeres do pecado que simplesmente não querem resistir. “Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos” (João 8:44). Tais pessoas não resistem: eles desistem–rapidamente, facilmente, alegremente. Deus opera com sucesso no homem ao fazê-lo "o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade" (Filipenses 2:13). Nada substitui o “querer”.


Também precisamos de um espírito confiante, uma atitude de “conseguir”. Raramente levantamos além das nossas expectativas. Lembrem de Pedro? Ele disse, "Ainda que venhas a ser um tropeço para todos, nunca o serás para mim...Ainda que me seja necessário morrer contigo, de nenhum modo te negarei" (Mateus 26:33,35). Ele negou sim, e antes de chegar a manhã. Porém não devemos esperar que ele renuncie sua afirmação. Mais tarde, Jesus o chamou para que reafirmasse o compromisso ousado. Ele disse a Pedro naquela cena final, este apóstolo seria fiel a esta afirmação da fé (João 21:15-19). E lembre-se do “posso” de Paulo, através de Cristo “que me fortalece” (Filipenses 4:13). E nós “podemos” também.


Nós também usamos as Escrituras para resistir. A Bíblia não é um amuleto que assusta e afasta o diabo, mas a sua verdade no homem o permite intimidá-lo. Jesus encontrou o diabo com “Está escrito”, e o diabo o deixou (Mateus 4:1). É a nossa “espada” com a qual lutamos com o diabo (Efésios 6:17). A delusão forte do diabo vence apenas aqueles que “não acolheram o amor” e “não deram crédito” à verdade (2 Tessalonicenses 2:10-12).


A oração nos ajuda a resistir. O Senhor orou por Pedro na sua crise (Lucas 22:32) e o disse depois que vigiasse e orasse, para que não entrasse em tentação (Marcos 14:38). O Senhor passou a noite anterior a ser preso em oração. Paulo pediu aos irmãos que orassem por ele para que ele pregasse ousadamente como lhe cumpria fazer (Efésios 6:18-20). Peça ajuda a Deus; ele sabe como livrar-nos (2 Pedro 2:9).


Nós precisamos de sabedoria para ajudar-nos a resistir. Tiago recomendou que se orasse pedindo sabedoria em épocas de dificuldades (Tiago 1:5). Não é um jogo de tolo! O bom julgamento é absolutamente necessário se vamos derrotar a esperteza do diabo. A resistência bem sucedida exige que nós “não lhes ignoramos os desígnios” (2 Coríntios 2:11).


Exige caráter resistir ao diabo. Isso quer dizer ser “fortalecido no Senhor” e revestir-se “de toda a armadura de Deus”. O resultado? Nós lutaremos “contra as forças espirituais do mal” e resitiremos “no dia mau” (Efésios 6:10-13). Os fracos são devorados por Satanás. O bom caráter rejeita o pecado. Mesmo no estresse da raiva calorosa, o bom caráter não pecará e nem dará “lugar ao diabo” (Efésios 4:26-27). Paulo mandou “indagar o estado da vossa fé, temendo que o Tentador vos provasse” (1 Tessalonicenses 3:5). Assim, nos incentiva a resistir “firmes na fé” (1 Pedro 5:9).


As boas associações ajudam a nossa resistência ao mal (Galátas 6:1) como também as más companhias corrompem (1 Coríntios 15:33). Os bons irmãos estimulam “ao amor e às boas obras” (Hebreus 10:24).


–por Joe Fitch fonte http://www.estudosdabiblia.net/2005225.htm sdv




terça-feira, 22 de setembro de 2009

Deus quer te perdoar


Deus quer te perdoar

Algumas pessoas duvidam da verdade expressada no título deste artigo. Alguns raciocinam que as suas vidas no passado foram tão vis e pecaminosos que um Deus que ama simplesmente não poderia perdoá-los. O apóstolo Paulo conviveu com as lembranças da sua vida anterior. Ele se identificou como o maior dos pecadores. Porém, ele acreditou que havia recebido a misericórdia e a graça de Deus. Algum dia ele se esqueceu completamente de segurar as vestes daqueles que apedrejaram Estevão? Ele se esqueceu completamente da sua missão de perseguir os cristãos? É duvidoso que tais memórias foram totalmente apagadas da sua cabeça. Porém Paulo se manteve firme na expectativa esperançosa do céu (2 Timóteo 4:6-8).

Os profetas do Velho Testamento são instrutivos a respeito do desejo de Deus e a capacidade de perdoar. Nós nos preocupamos sobre os pecados passados das nossas vidas que permanecem conosco. Considerem, porém, os israelitas. Foram escolhidos por Jeová como o veículo pelo qual o Messias viria. Foram abençoados imensuravelmente. Porém, cometeram a apostasia. O reino do norte, as dez tribos, foi levado ao cativeiro assírio e nunca mais funcionou como uma nação coesiva. O reino do sul foi enfim levado ao cativeiro babilônico. Eles voltaram após um período de setenta anos, conforme continuaram os planos e os propósitos de Deus.

Através de tudo, Deus deixou claro que ele desejava que seu povo se arrependesse. Eles deveriam se afastar de seus pecados; e quando assim fizeram, poderiam andar novamente numa relação de aliança com o seu Deus.

“Aborrecei o mal, e amai o bem, e estabelecei na porta o juízo; talvez o Senhor, o Deus dos Exércitos, se compadeça do resto de José” (Amós 5:15). Depois que Amós condenou os pecados dos vizinhos de Israel, ele direcionou a sua mensagem ao povo de Deus. Pecados, como oprimir os pobres, aceitar propinas, usar balanças desonestas em transações de negócios, e se aproveitar dos pobres eram comuns entre o povo de Deus. Eles deveriam aprender a odiar estes pecados e deveriam estar envolvidos ativamente na busca daquilo que era bom. Talvez o Senhor os perdoasse. Presumir que o Senhor sempre estará presente para nos perdoar é presumir em relação à bondade e a graça de Deus. Quando o pecado é cometido, precisa ser resolvido de uma vez.

“Vinde, pois, e arrazoemos, diz o Senhor; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã. Se quiserdes e me ouvirdes, comereis o melhor desta terra” (Isaías 1:18-19). Israel deveria considerar a sua condição diante de Deus; a única escolha real era a oportunidade de se arrepender e obedecer a Deus. Jeová assegura a Israel que mesmo que seus pecados fossem escarlates, poderiam se tornar tão brancos quanto à neve. A adoração, o sacrifício e um relacionamento de aliança a Jeová através da Lei não era o suficiente. A vida e o comportamento individual de cada pessoa estavam a mostra diante de Deus.

E assim é hoje. Nós consentiremos e obedeceremos? O caminho do Senhor é o único caminho para o perdão.

–por Randy Harshbarger

Um rapaz perdido


Um rapaz perdido

Jesus ensinou parábolas para ilustrar verdades espirituais. A minha predileta é sobre um rapaz que solicitou, antes do tempo, que lhe fosse entregue a sua herança (Lucas 15:11-32). Quando seu pai lhe atendeu o pedido,ele foi para uma terra distante e gastou todo o dinheiro com uma vida “animalesca”. Quando veio a fome, o dinheiro se esgotou e o rapaz faminto foi obrigado a cuidar de porcos para sobreviver. Por fim, ele decidiu voltar a casa e pedir ao seu pai que lhe contratasse como servo. O pai viu esse filho rebelde voltando e correu em sua direção, abraçando-o e beijando-o. Deu uma festa para comemorar o retorno do rapaz. O restante da história mostra o ciúme do irmão do rapaz. A história simboliza a rebeldia do homem em relação a Deus ; o seu retorno a casa; o amor de Deus pelo homem rebelde quando este se arrepende; e a arrogância daqueles que pensam que nunca precisarão da graça de Deus.

Examine três lições importantes nessa história: ➊ O pecado leva ao chiqueiro de porcos. Esse rapaz, a princípio, desfrutou do pecado, mas as conseqüências disso lhe foram cobradas. Sempre que agimos indevidamente, desobedecendo a Deus, acabaremos por nos machucar. ➋ Voltar para Deus não é fácil. O rapaz teve de reconhecer a sua indignidade, admitir seu estado, confessar seu pecado e retornar a seu pai. Muitas pessoas nunca se arrependem, nem retornam a Deus por serem muito orgulhosas para admitir a sua necessiade. ➌ Deus ama a quem não merece ser amado. São surpreendentes a compaixão e a receptividade do pai em relação a esse rapaz que gastou todo o dinheiro dele com um estilo de vida corrupto. Damos por certo que o rapaz, pelo menos, levará uma boa surra e um grande sermão. Mas ele é recebido com celebração. Quando nos enxergarmos nos pecados desse rapaz, agradeceremos a Deus, vez após vez, por seu magnífico amor. Eu sou esse rapaz que se perdeu.

–por Gary Fisher fonte :http://www.estudosdabiblia.net/2004212.htm

domingo, 20 de setembro de 2009

Educação espiritual



Há algo bem agradável sobre uma pessoa simples — e com “simples” não quero dizer burra; quero dizer, sem complicações. É principalmente agradável ver um homem de fé simples (sem complicações). Um homem de fé simples não é ignorante. Sua fé é baseada em evidência sólida e acreditável. Mas ele não discute com Deus, e ele não discute sobre o óbvio. Quando a evidência está na sua frente para ver, ele simplesmente crê – sem duvidar.
Todos os verdadeiros crentes em Jesus devem ser pessoas de fé simples. Para tais pessoas, todas as suas perguntas já são potencialmente respondidas; tudo que precisam fazer é aprender o que Jesus pensa sobre a pergunta, e aí sabem o que eles devem pensar ... e acreditam. Isso é fé simples!
Mas, às vezes, as pessoas interpretam mal o que queremos dizer quando falamos sobre fé simples. Elas pensam que estamos elogiando a falta de educação ou de capacidade. E pior, parece que acreditam que, entre cristãos, é de alguma maneira elogiável ser iletrado e faltar capacidade – afinal, falaram que até os apóstolos eram“iletrados e incultos”! (Atos 4:13).
Mas, por favor, não se confunda com isso: os apóstolos não eram homens ignorantes! É claro que eles não tinham muita educação formal — no modo de ver dos líderes judaicos. Eles não freqüentaram nenhuma escola religiosa, nem sentaram aos pés de algum rabino judeu popular. Mas não eram ignorantes sobre as coisas religiosas, e com certeza não eram incultos em assuntos espirituais. Para dizer a verdade, eles foram treinados pelo maior professor que já viveu; eles foram treinados por Jesus Cristo, e foram guiados (até inspirados) pelo Espírito Santo de Deus.
“Então, qual é o seu ponto?” Meu ponto é: precisamos ver que não há uma virtude especial em ser simples – não se com isso queremos dizer alguém que é ignorante e iletrado. Não é “tudo bem” ser ignorante ou iletrado na Vontade de Deus! Claro, a pessoa não precisa de muita educação formal, se é que precisa de alguma, para ser um discípulo fiel de Jesus. Mas isso não significa que podemos ser ignorantes da vontade de Deus e iletrado na sua palavra.
Faremos bem se lembramos que são os “indoutos e inconstantes” (RC), ou os “ignorantes e os fracos na fé” (NTLH), que “deturpam” as Escrituras “para a própria destruição deles” (2 Pedro 3:16). Pode ter bons irmãos em Cristo que são verdadeiramente limitados no seu conhecimento das Escrituras, e eles podem até ser limitados na sua capacidade de aprender o que a Bíblia diz. Mas nenhum de nós pode se contentar com nossa falta de educação na Palavra de Deus. Temo que alguns de nós usamos “simples” para disfarçar nossa própria preguiça.
Deus não pede a ninguém para fazer mais do que tem capacidade. Mas quando temos a capacidade de melhorar – de nos educarmos mais na palavra de Deus – temos que fazer isso (2 Timóteo 2:15; 2 Pedro 3:18)! Se queremos que a igreja do Senhor cresça nos anos que vêm, então teremos que nos desafiar a nos esticarmos. Temos que nos exercitar – se não a igreja de amanhã será ainda mais fraca do que a igreja de hoje. Visão do futuro requer que nós nos esforçermos a uma educação espiritual maior!

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

O “FRUTO DO ESPÍRITO SANTO” É DIFERENTE DOS “DONS OU SINAIS EXTRAORDINÁRIOS”




O “FRUTO DO ESPÍRITO SANTO” É DIFERENTE DOS “DONS OU SINAIS EXTRAORDINÁRIOS”

OU COMO OS DONS EXTRAORDINÁRIOS SÃO INFERIORES A FRUTO DO ESPÍRITO SANTO
Os dons extraordinários de Deus e o fruto do Espírito Santo são similares no aspecto que qualquer dom extraordinário e qualquer fruto parecem que têm uma fonte somente: Deus. Porém, as diferenças entre os dons extraordinários e o fruto do Espírito Santo são vastas e importantes. É edificante conhecer quais são as diferenças. As suas diferenças são evidentes quando consideradas a manifestação, a duração, o proveito, o recebimento e o propósito dos dons extraordinários em relação ao fruto do Espírito.
A Sua Manifestação
Os dons extraordinários podem ser manifestos e imitados até por incrédulos mas o fruto do Espírito Santo é manifesto somente por quem tem Cristo verdadeiramente. Os dons são inferiores ao fruto.
Judas, aquele que traiu Jesus, era um dos doze discípulos. Ele recebeu, igualmente aos outros, “poder sobre os espíritos imundos, para os expulsarem, e para curarem toda a enfermidade e todo o mal” (Mat. 10:1). Não há nenhuma indicação bíblica que Judas não usou a autoridade ou não operou os dons que ele recebeu (Luc. 9:6). Porém ele foi determinado “um diabo” (João 6:70), um “ladrão” (João 12:6) e “filho de perdição” (João 17:12). Judas foi manipulado por Satanás a entregar o Santo e Inocente Jesus (João 13:2). Cristo não guardou Judas até o fim (João 17:12; 13:18; I João 2:19; Atos 1:25). Por Judas ser “um diabo” podemos concluir que os dons extraordinários podem ser manifestos por incrédulos.
Ao Balaão foi revelado a palavra do Senhor pessoalmente (Núm. 22:10-12). O Espírito Santo veio sobre ele capacitando-o a falar uma profecia verídica (Núm. 24:2-9; veja também o caso de Caifás, João 11:47-53), uma evidência de dom extraordinário. Porém, Balaão era um adivinho (Josué 13:22; Núm. 24:1), que era comprado para fazer a vontade dos ímpios em amaldiçoar a Israel (Deut 23:4; II Pedro 2:15; Judas 1:11) e ensinou o povo de Deus a cometer fornicação (Apoc 2:14). Mesmo este conhecendo o Espírito Santo, e tendo os seus olhos abertos (Núm. 24:3), Deus não o ouviu (Deut 23:5,6) e morreu pelo espada do povo de Deus (Núm. 31:8; Josué 13:22). Por Balaão ser um adivinho declarado e alguém que era um exemplo de tropeços e abominações (Apoc 2:14), de engano (Judas 1:11) e de erro (II Pedro 2:15) mas um que recebeu a Palavra do Senhor pelo Espírito Santo, podemos concluir que os dons extraordinários podem ser manifestos por incrédulos.
Falsos cristos e falsos profetas podem imitar os dons extraordinários de sinais e prodígios (Mat. 24:24) e os dons de profetizar, fazer curas e falar ousadamente ao ponto de convencer uma multidão (Apoc 13:1-8; 19:20). Mas, apesar da grandeza dos convincentes sinais e prodígios que estes farão, ainda são falsos cristos e falsos profetas. Mesmo que Deus permitirá tais obras, não é prova que são do Espírito Santo. Pela evidência destes muitos a manifestarem obras similares aos dons extraordinários podemos concluir que nem todo sinal e prodígio é de Deus e nem todos que os fazem são Cristãos.
Janes e Jambres resistiram o homem de Deus, eram homens encantadores e sábios dos meios mundanas. Eles eram homens corruptos de entendimento e réprobos quanto a fé (II Tim 3:8). Mesmo assim eles imitaram alguns sinais e alguns dos dons especiais dados por Deus ao Moisés para provar que a sua missão era de Deus (Êx. 7:10-22; 8:5-7). Por homens corruptos conseguirem a operar sinais e dons especiais podemos concluir que nem todo sinal ou prodígio é do Espírito Santo. Nem podemos afirmar que somente são os verdadeiros que podem faze-los.
Expulsar demônios em nome de Cristo, profetizar em nome de Cristo e fazer muitas maravilhas no nome de Cristo são evidências dos dons extraordinários dados aos discípulos (Mat. 10:1,8; Atos 4:30). Porém, esses dons extraordinários podem ser operados também por aqueles que não são de Deus (Mat. 7:22,23; Luc. 13:26,27). Nem todos que fazem maravilhas irão ao céu. Existem os que praticam os dons extraordinários que fazem iniquidade. Por existir a possibilidade de ímpios expulsarem demônios e fazer outras maravilhas, podemos concluir que os dons extraordinários do Espírito Santo podem ser manifestos pelos incrédulos.
Porém, o fruto do Espírito Santo é diferente dos dons do Espírito Santo. O fruto é somente do Espírito Santo e nunca é imitado ou vem de qualquer outra fonte. O fruto verdadeiro do Espírito Santo é exclusivamente para os que são chamados eficazmente por Deus ao arrependimento e à fé em Cristo (Atos 2:38,39). São estes que tenham uma nova natureza pela regeneração (Tito 3:5-7). Somente os que tem o interior mudado pela regeneração podem ter o fruto da nova natureza santa que é do Espírito Santo.
Pelo fruto do Espírito Santo ser somente de Deus, Jesus ensinou que conhecemos uma árvore pelos “frutos” (Mat. 7:20). Tiago ensinou a mesma verdade dizendo que de um mesmo manancial não vem água doce e amargosa (Tiago 3:11). A figueira não produz azeitonas, nem a videira figos (Tiago 3:12; Mat. 7:16). Os dons extraordinários podem ser exteriorizados até por incrédulos, mas o fruto vem somente do Espírito Santo que o produz no coração do Seu povo.
Temos a instrução de provar a todo o espírito (I João 4:1). A prova não é pelos prodígios que podem ser manifestos, pelas profecias que podem ser declaradas, pela companhia que alguém pode ter ou pelas curas que podem ser efetuadas. A prova é pelo fruto. O fruto correto é uma vida dirigida pela doutrina bíblica (I João 4:2,3). Tendo uma vida conforme a sã doutrina, em espírito e em verdade, é prova suficiente que alguém é de Deus. A vida obediente à doutrina será uma vida em conformidade ao obediente Jesus. Essa é uma prova divina que alguém é de Deus (Romanos 8:29). Verdadeiramente, pelos “frutos”, e não pelos dons extraordinários, os verdadeiros são conhecidos (Mat. 7:20).
Pela possibilidade dos dons extraordinários serem manifestos até pelos incrédulos, e pela singularidade do fruto do Espírito Santo ser somente com os em Cristo podemos destacar uma grande diferença dos dons extraordinários do fruto do Espírito Santo. Podemos concluir também que o fruto do Espírito Santo é “mais excelente” dos dons extraordinários (I Cor. 12:31-13:13).

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

OS DOIS MOTIVOS PELOS QUAIS PAULO REFORÇA ESTA EXORTAÇÃO, SÃO:

O amor é o cumprimento da lei. Enquanto se tenta ser salvo pela lei, não se age pelo amor, mas simplesmente por medo. Mas na liberdade da lei como modo de salvação, o crente em Cristo age pelo amor. E o modo de cumprir a lei como regra de conduta é amar ao próximo. Paulo cita Levítico 19:18, mas não o usa como Moisés fez. "Próximo" segundo Moisés era um dos filhos de teu povo. Isto é um judeu ou israelita. Mas "próximo", segundo Paulo, eqüivalia a cada pessoa. Paulo aprendeu de Cristo quem é nosso próximo. Cristo nos diz quem ele é na Parábola do Bom Samaritano (Lucas 10:25). Em Romanos 13:10 Paulo nos diz como o amor cumpre a lei. "O amor não faz mal ao próximo. De sorte que o cumprimento da lei é o amor".

Outro motivo surge das conseqüências más de um temperamento ou disposição contrários. "Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede não vos consumais também uns aos outros", Gálatas 5:15. A linguagem aqui é altamente figurativa, embora não seja obscura. Morder e devorar uns aos outros é o modo do Apóstolo se referir às brigas e discussões violentas que aconteciam no meio dos Gálatas, por causa do ponto de vista nova que os mestres do judaísmo haviam introduzido. O resultado era que eles estavam se machucando entre si e também à igreja.

Um velho escritor incomum disse: "Quando cães e lobos se mordem está de acordo com a natureza deles, mas sem dúvida é triste se ver as ovelhas fazendo o mesmo". O mesmo escritor disse: "Preferia ser mordido por um cachorro fora do aprisco, do que por uma ovelha dentro dele. A mordida de um crente é mais cortante do que qualquer outra".

Este tipo de comportamento fará a igreja em pedaços mais rápido do que qualquer ataque de homens e demônios vindos de fora. Brigas e contenções impedem a edificação por dentro e a conversão por fora.

J. Brown disse: "Não é a confissão honesta das nossas convicções, mas o temperamento que não é cristão no qual a confissão é feita que produz tanto mal. Efésios 4:15: "Antes, seguindo a verdade em caridade, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo".

Nota esta poema que alguém escreveu sobre o amor verdadeiro entre os irmãos em Cristo. Deus nos ajude amar uns aos outros como O Senhor Jesus Cristo nos amou e ama.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

COMO VAMOS USAR ESTA LIBERDADE?




Um intérprete muito sábio disse que a liberdade cristã é uma coisa e a maneira como a usamos, outra. A liberdade cristã é o sentimento interno que temos na presença de Deus; usamos quando a manifestamos diante dos homens. O crente vem a Deus como Pai, regozijando-se em Cristo, confessando seus pecados, feliz pela certeza do perdão e ansiando ser perfeitamente completo. Alegramo-nos nesta liberdade através da comunhão com Deus, sentindo-nos felizes pela redenção dada por Cristo que nos livrou da maldição da lei, do domínio do pecado e porque agora estamos debaixo da graça e não da lei. Os Gálatas estavam sendo pressionados a deixarem sua liberdade em Cristo e voltarem a viver sob a escravidão da lei humana.

Ao dizer aos Gálatas como usarem sua liberdade em Cristo, Paulo diz: "Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pela caridade". Vamos tentar fazê-los entender o significado desta exortação e depois mostrar os motivos pelos quais Paulo a reforça.

Não usem esta liberdade para satisfazer as paixões carnais, mas, pelo amor, sirvam uns aos outros. A carne é o símbolo da natureza humana caída e sua condição depravada. Não significa o corpo em si, mas os desejos humanos como uma criatura caída. O corpo não é fonte de pecado, mas pode ser usado como instrumento do pecado. O coração humano como fonte de pecado nunca significa o órgão físico. Lemos em Mateus 15:19: "Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias". Do mesmo modo como o coração é o receptáculo da vida física, assim também o coração moral é o receptáculo da vida espiritual. A religião verdadeira é a do coração no qual há amor a Deus e ao homem. E o modo de usar a liberdade cristã é servir um ao outro em amor.

Fonte:www.palavraprudente.com.br
sergio sdv

terça-feira, 25 de agosto de 2009

O QUE É A LIBERDADE CRISTÃ?




Um estado ou condição que o crente tem diante de Deus em Cristo, e um sentimento que corresponde a esta condição. "Livres do medo temos ficado, Jesus morreu levando o pecado". É um estado de justificação e liberdade da condenação, o qual temos em Cristo. Romanos 8:1 diz: "Portanto agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito". Vejam também João 8:36 e Gálatas 5:1. Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres". "Estai pois firmes na liberdade com que Cristo vos libertou, e não torneis a meter-vos debaixo do jugo da servidão".

Este sentimento será determinado pelo sistema particular de escravidão, no qual se vivia antes de confiar em Cristo. Quem tentava ser salvo guardando os dez mandamentos se sentirá aliviado da incerteza e mal-estar que sentia, tentando ser salvo assim. Quem estava escravizado a um sistema pagão, no qual tentava agradar os deuses através da flagelação, sentir-se-á feliz ao ver a verdade que a salvação vem, através do sacrifício de Cristo. Hebreus 9:26 diz: "Doutra maneira, necessário lhe fora padecer muitas vezes desde a fundação do mundo: mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo. Eu mesmo senti como se um fardo terrível fosse tirado da minha consciência, quando vi que não tinha que estabelecer minha própria justiça vivendo sem pecado e que Cristo se torna para o crente sabedoria, justiça, santificação e redenção. 2 Coríntios 5:21 nos afirma: "Aquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus". Muita coisa já foi dita e escrita sobre a liberdade política. Todas as nações do mundo amam a liberdade em relação às leis e governos humanos. O Brasil não podia mais agüentar o domínio português e por isso declarou sua independência.

A escravidão religiosa é aquela que oferece salvação a preço dos méritos ou obras humanas. Cristo nos tornou livres do domínio de qualquer lei que coloque uma etiqueta com preço na salvação. Havia uma, mas Cristo a tirou ao pagar por ela com Seu precioso sangue.

sergio sdv

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

A LIBERDADE CRISTÃ - O QUE É E COMO USÁ-LA!




"Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pela caridade. Porque toda a lei se cumpre numa só palavra, nesta: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede não vos consumais também uns aos outros. Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne", Gálatas 5:13-16.

INTRODUÇÃO

Em Gálatas 5:1, Paulo exorta os Gálatas e a nós ficarmos "firmes na liberdade com que Cristo nos libertou", e não mais meter-nos "debaixo do jugo da servidão". Agora, no versículo 13 ele nos avisa contra o abuso desta liberdade da justificação cristã. Eis uma prova ampla de que a doutrina da justificação pela fé, sem as obras, é verdadeira. De outro modo, esta exortação não seria necessária. Se Paulo estivesse pregando a justificação pelas obras, não haveria sentido para tal exortação. Nós, que pregamos a salvação pela graça, por meio da fé e sem as obras, deveríamos também avisar contra o abuso da doutrina. Quem quiser ser salvo pela graça e então usar esta verdade como desculpa para pecar, mostra que não está na graça. Tanto no tempo de Paulo como em nossos dias, há quem diga: "Se a lei foi satisfeita por Cristo, e se somos salvos pela fé nEle - de tal maneira que não podemos perder esta salvação, então podemos continuar a viver em pecado". Spurgeon respondeu assim a tal argumento: "Homem, você fala assim porque nunca nasceu de novo". E poderá acrescentar que este é um argumento irracional. Dizer que porque Deus é bom eu posso agir como um demônio - que porque Ele me salva a um custo infinito de Sua parte e sem nenhum custo para mim, devo sentir que não lhe devo nada - que escolhido na eternidade em Jesus Cristo para ser santo, devo ver o quão ímpio posso ser - que sendo nascido de novo, não mostre nenhuma educação. Com certeza, ninguém que tenha nascido novamente, e está em estado de graça, pensa ou argumenta deste modo. Paulo dá o antídoto para tal raciocínio em outro lugar, ao dizer: "Julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou", 2 Coríntios 5:14-15
"Continua"
sdv